O Programa Doutoral em Estudos Culturais Minho/Aveiro foi o primeiro nesta área em Portugal a ser acreditado pela A3ES e é fruto de um protocolo de cooperação, estabelecido entre a Universidade do Minho e a Universidade de Aveiro, através das suas unidades orgânicas, respetivamente o Instituto de Ciências Sociais e o Departamento de Línguas e Culturas.

Desde o início, o doutoramento reuniu as melhores condições técnicas, pedagógicas e científicas de realização, que lhe foram facultadas pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho, único centro de excelência na sua área específica.

Nestas circunstâncias, a parceria Minho/Aveiro pôde garantir a formação de investigadores em Estudos Culturais, capazes de trabalhar em equipas multidisciplinares, em áreas tão diversas como a memória social, as identidades, a lusofonia, o desenvolvimento sustentável, os estudos fílmicos, os estudos de género, os média, a internet, os pós-colonialismos, a cultura material e imaterial, etc.

No quadro desta parceria, com início em 2011, foram realizados muitos eventos científicos, que contribuíram para o estabelecimento de redes sustentáveis de investigação. O V Congresso Internacional em Estudos Culturais – Género, Direitos Humanos e Ativismos (2016); o IV Congresso Internacional em Estudos Culturais – Colonialismos, Pós-Colonialismos e Lusofonias (2014); o III Congresso Internacional em Estudos Culturais: Ócio, Lazer e Tempo Livre nas Culturas Contemporâneas (2013); a II Conferência Internacional em Estudos Culturais: Políticas Públicas para a Cultura (2012); e o Congresso Europa das Nacionalidades. Mitos de origem, modernos e pós-modernos (2011), constituem exemplos de iniciativas desenvolvidas em parceria pela Universidade do Minho e pela Universidade de Aveiro (consultar outros eventos). Para além destas realizações científicas, as Jornadas Doutorais em Ciências da Comunicação e em Estudos Culturais, realizadas na Universidade do Minho, de periocidade anual (de 2012 a 2016) e destinadas a estudantes de doutoramento nestas áreas, permitiram a troca de experiências sobre os projetos de investigação dos doutorandos, pela discussão e análise de progressos e de resultados, propiciando deste modo espaços de debate e de avaliação crítica.

Destas iniciativas resultaram várias publicações de Estudos Culturais (consultar publicações), que disseminaram o conhecimento científico produzido no quadro do doutoramento, sendo diversas as temáticas versadas, designadamente, as mitologias de origem na produção das nacionalidades, as identidades transnacionais, o ativismo associado ao género e à luta pelos direitos humanos, as políticas públicas para a cultura, o papel do ócio nas culturas contemporâneas.

Em 2013, é fundada a Revista Lusófona de Estudos Culturais (consultar RLEC), instrumento de cultura e conhecimento, ao serviço da comunidade dos povos de língua portuguesa, assim como das suas diásporas.  A RLEC procura configurar, cientificamente, os atuais desafios das culturas, das artes e das línguas. Tendo sido editada, até 2016, numa parceria entre a Universidade do Minho e a Universidade de Aveiro, que resultou na publicação de seis números, a RLEC é hoje um projeto editorial do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho, e conta com uma vasta e qualificada equipa editorial na área dos Estudos Culturais.

Entretanto, mantendo como objetivo a formação de quadros altamente qualificados na área da Cultura e das Artes, e também a produção de investigação de excelência neste campo, a Universidade do Minho lança, agora, no ano letivo de 2017/2018, um novo Programa Doutoral em Estudos Culturais. O promotor deste programa de 3.º ciclo de estudos, que envolve, numa parceria, duas Escolas da Universidade do Minho, o Instituto de Ciências Sociais (ICS) e o Instituto de Letras e Ciências Humanas (ILCH), é o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) (consultar programa doutoral e Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade).

Liderando este programa doutoral e trabalhando em articulação com uma vasta rede de instituições culturais e artísticas, de cariz regional, nacional e internacional, com as quais já estabeleceu protocolos de cooperação académica, esta unidade de investigação investe na preparação de estudantes e investigadores, que possam operar, não apenas em equipas multidisciplinares, mas também na resolução de problemas, que digam respeito, designadamente, às relações entre cultura e desenvolvimento sustentável, às políticas públicas da cultura, à comunicação intercultural, à ética empresarial, à preservação e gestão do património.

A longa experiência, acumulada, ao longo dos anos, pela equipa da Universidade do Minho, em investigação, ensino, publicações, eventos e redes científicas e culturais, constitui garantia plena de que estes objetivos serão atingidos.